Tem Luz No Passado

LUZ NO PASSADO

Decidi revisitar o passado, o mesmo que muitas vezes condeno: “Não olho pelo retrovisor”, “Não sou baú”.

Mas como argumentar comigo mesma se não voltar lá? Como não oxigenar as memórias que me trazem exatamente para o que vivo, o que sinto, o que atraio, desejo.

Muitas vezes quero por que não tive antes, muitas vezes não quero por que tive antes.

No passado estão muitas respostas.

Quando me vi em desalinho, com peito de dor fui buscar revirando histórias um pouco de mim pra resgatar quem eu sou.

Vejo sobras do antigo eu. Outras nem reconheço.

Revisitar o passado me permitiu sorrir, gargalhar, ter prazer, decidir, permitir, construir, desconstruir. Foi como a dose certa para me reaver.

Embalar o passado com cuidado é uma boa maneira de preserva-lo para que seja sempre o esteio de um presente duro ou confuso e de um futuro vazio.

Foi revirando as lembranças que me achei, que me olhei e percebi de fato o que me trouxe pra tudo que tenho por dentro.

Como não olhar pelo retrovisor? Como não preservar o baú espaçoso, forte?

Revisitar o passado algumas vezes é a garantia de me reconectar sem medo.

Vou revisitar todas as vezes que queira voltar pra dentro de mim.


Anete Pitão
Coach e Mentora – Criadora do Studio Jovem
Idealizadora do Programa Geração de Impacto
Delete sua versão OK. Desperte sua versão UAU.

Postado em 24 de janeiro de 2017 Categoria Mentoria

Compartilhe

Gostou? Deixe um comentário :D

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Back to Top